Buscar
  • MIGALHAS.COM.BR

Duque e Vaccari são condenados por envolvimento em esquema da Lava Jato


O juiz Federal Sérgio Moro condenou nesta segunda-feira, 21, o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque e o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto e mais outros envolvidos em esquema de desvio investigado na operação Lava Jato.

Pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e associação criminosa, Duque deverá cumprir 20 anos e oito meses de reclusão. Por participação no esquema, ele teria recebido mais de R$ 35 milhões em propinas, R$ 4,2 milhões teriam sido lavados.

Já Vaccari, foi condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro a 15 anos e quatro meses de reclusão. O ex-tesoureiro do PT teria intermediado o recebimento pelo partido, pelo menos, R$ 4,2 milhões de propinas acertadas com a Diretoria de Serviços e Engenharia da Petrobras.

Para Moro, a prática causou "impacto no processo político democrático, contaminando-o com recursos criminosos".

"Talvez seja essa, mais do que o enriquecimento ilícito dos agentes públicos, o elemento mais reprovável do esquema criminoso da Petrobrás, a contaminação da esfera política pela influência do crime, com prejuízos ao processo político democrático. A corrupção com pagamento de propina de milhões de reais e tendo por consequência prejuízo equivalente aos cofres públicos e a afetação do processo político democrático merece reprovação especial."

Além de Duque e Vaccari, também foram condenados:

  • Júlio Gerin de Almeida Camargo – 12 anos por corrupção ativa e lavagem de dinheiro;

  • Augusto Ribeiro de Mendonça Neto – 16 anos e oito meses por corrupção ativa e lavagem de dinheiro;

  • Pedro José Barusco Filho – 18 anos e quatro meses por corrupção passiva e lavagem de dinheiro;

  • Mario Frederico Mendonça Goes – 18 anos e quatro meses corrupção passiva e lavagem de dinheiro;

  • Adir Assad – 9 anos e 1 meses por lavagem de dinheiro;

  • Dario Teixeira Alves Júnior – 9 anos e 10 meses por lavagem de dinheiro;

  • Sônia Mariza Branco – 9 anos e 10 meses por lavagem de dinheiro.

Youssef

Também foi constatada na ação a lavagem de R$ 20,6 milhões pelo doleiro Alberto Yousseff. Sua condenação pelo crime, porém, foi suspensa devido ao acordo de delação premiada. O termo estabelece que, após o trânsito em julgado das sentenças condenatórias que somem o montante mínimo de 30 anos de prisão, os demais processos contra ele devem ficar suspensos.

Yousseff já foi condenado em outras três ações a penas que superam 32 anos de reclusão. As decisões já transitaram em julgado. Segundo Moro, caso haja descumprimento ou seja descoberto que a colaboração não foi verdadeira, o processo retomará seu curso.

Processo: 5012331-04.2015.4.04.7000

#AtualidadesJurídicas

0 visualização
  • Instagram
  • Facebook
  • LinkedIn

Possiede Araujo Advocacia 
contato@possiedearaujo.com.br

(67) 3222.8097 / 9 8111.4466 
Rua Antônio Maria Coelho, 4531, CEP: 79021-170, Campo Grande - MS