• Instagram
  • Facebook
  • LinkedIn

Possiede Araujo Lobato Rodrigues Advocacia 
contato@possiedearaujo.com.br

(67) 3222.8097 / 9 8111.4466 
Rua Antônio Maria Coelho, 4531, CEP: 79021-170, Campo Grande - MS

Loja terá de ressarcir vendedor por gastos com roupas da marca

14.7.2015

 

Um ex-vendedor de uma loja de roupas de marca em Belo Horizonte/MG será ressarcido de todo o dinheiro que gastou com roupas da empresa. Ele conseguiu provar que era obrigado a comprar as peças para usar durante o expediente. De acordo com testemunhas do processo, o gerente da loja teria dito que "não caia bem não usar roupas da loja". Na avaliação dos ministros da 2ª turma do TST, houve a transferência para o empregado da obrigação do empregador de fornecer o uniforme. 

No pedido inicial, o vendedor alegou que gastava, em média, cerca de R$ 350 por mês na loja porque era obrigado a trabalhar exclusivamente com roupas da marca. A loja de roupas de marca alega que jamais obrigou quem quer que seja a adquirir suas peças, simplesmente oferecia desconto de 50% para aqueles vendedores que desejassem comprá-las.

Na reclamação trabalhista ajuizada na 37ª vara do Trabalho de Belo Horizonte, o juiz determinou a restituição pela empresa de R$ 250 por mês de trabalho ao vendedor. A loja deveria também pagar 30% a mais sobre o valor total da indenização a título de reparação, conforme previsão em norma coletiva.

A empresa entendeu "descabido" o acréscimo de 30% sobre o valor da restituição, já que o autor não devolveu qualquer peça. Para a loja, a condenação promoveria enriquecimento ilícito do empregado. No entanto, os desembargadores do TRT da 3ª região/MG decidiram que a condenação foi razoável.

No recurso para o TST, a empresa alegou violação do art. 884 do CC, que trata de enriquecimento sem causa, e insistiu na tese de que não obrigava o uso das roupas da loja aos funcionários. De acordo com a relatora, ministra Delaíde Miranda, o que se discute no processo não é a imposição do uso das roupas aos empregados, mas a transferência a eles em assumir uma obrigação que é originalmente da empregadora.

O voto da relatora foi aprovado por unanimidade pelos demais ministros da turma.

 

Processo: RR-392-88.2012.5.03.0137

Please reload

Matérias em Destaque

A responsabilidade pelo pagamento das taxas de condomínio no caso de compra e venda por contrato de gaveta

21.11.2019

1/10
Please reload

Matérias Recentes
Please reload

Arquivo